terça-feira, 29 de outubro de 2013

BOLINHO DE ARROZ COM ALHO PORRÓ

No domingo, 27 de outubro, foi comemorado o aniversário de 12 anos da Rede com um piquenique no Museu Casa de Benjamin Constant Infelizmente não pude ir pois já tinha compromisso.
Recebi as fotos e o comentário de Eugenia (Santa):
"Foi maravilhoso! Muitas comidinhas gostosas (Aline e Julia arrasaram no bolinho de arroz... ótimo papo sobre os sacos plásticos e o ambiente não poderia ser mais agradável, cheio de verde..."
Houve um papo também sobre compostagem.
Fiquei curiosa para saber como era, afinal, esse bolinho de arroz e mandei email para Julia.
A resposta foi: oi! fácil.

BOLINHO DE ARROZ COM ALHO PORRÓ

Ingredientes
arroz integral
alho porró
cenoura
azeite
açafrão ou curry

Preparo
1. cozinhar arroz cateto integral até ficar coladinho.
2. cortar alho porró e cenoura em cubinhos pequenos (pequeno mesmo)
3. refogar com azeite (um pouco mais do que normal) e escolhe o tempero. Usei curry, mas na hora lembrei que tinha o açafrão da Rede e me arrependi. Mas o curry sempre é bom.
4. Quando estiver um pouco mais "cozido" do que al dente tirar do fogo e juntar com o arroz.
5. Formar bolinhos...

domingo, 8 de setembro de 2013

TORTA INTEGRAL DE MAÇÃ


 

Hoje foi o piquenique da minha escola particular em comemoração aos seus 40 anos. Foi divino! Estava lindo de ver todo aquele pessoal com suas toalhas no gramado e seu farnel. Reencontro com ex-alunos, ex-colegas, ex-responsáveis... Pra coroar tudo isso, o cortejo atrás da Sinfônica Ambulante!

Um dos pratos que levei foi essa torta, que há tempos não fazia. Me pediram a receita e como os ingredientes são quase todos da Rede, resolvi colocar aqui no blog.

TORTA INTEGRAL DE MAÇÃ

Ingredientes
6 maçãs
1 ovo
1/2 copo de óleo
3 xíc de farinha de trigo integral (se quiser que fique mais leve substitua uma por farinha comum)
2 xíc de açúcar mascavo
1 colh sopa de fermento em pó
1 pitada de sal
canela em pó
nozes, castanha do Pará, passas, damasco...

Preparo
Lave as frutas secas e coloque-as de molho por mais ou menos meia hora, escorra e reserve. Pegue 4 maçãs sem casca e caroço, o ovo e o óleo e bata no liquidificador. Coloque em uma tigela, acrescente a farinha de trigo, 1 1/2 xíc de açúcar mascavo, o fermento e o sal, misture bem e acrescente as frutas secas hidratadas.

Calda
Faça uma calda com 1/2 xíc de açúcar mascavo, levando-o ao fogo e quando derreter coloque mais ou menos uma colher de sopa de água.
Unte a forma com óleo, coloque a calda e, por cima, cubra com as outras 2 maçãs cortadas em gomos
(eu prefiro sem casca). Salpique um pouco de açúcar mascavo com canela por cima e coloque a massa.
Leve ao forno por mais ou menos 30 min. Quando tirar do forno, verifique se está solta dos lados da forma e vire-a sobre um prato. Fica essa belezura que você está vendo!

sábado, 7 de setembro de 2013

TABULE DE FEIJÃO BRANCO COM CÚRCUMA






Recebemos, outro dia, esse email de Silvia.
Olá, pessoal,
Temos cúrcuma (açafrão da terra), primeiramente fresca. Dentro de alguns dias a Agrovargem também estará comercializando na forma de sachês com cerca de 5g com o produto pulverizado. Verei com a Rosangela a possibilidade de colocar um texto no blog sobre o produto com, pelo menos, uma receita. abçs, Silvia.

Legal!
Tenho plantada na minha área mas nunca deu flor.
Fale um pouquinho da Maria do Céu, a produtora.
abs, Rosangela.

Segue texto sobre a cúrcuma a ser comercializada na Rede Ecológica. Grata, Silvia.

Maria do Céu é agricultora urbana, entusiasmada com seu quintal onde fica horas cuidando de suas plantas cada uma com sua individualidade, como se fossem pessoinhas carregadas de personalidade. Ela é poetisa, tecendo versos como produz mudas e biodiversidade. É de origem portuguesa. Sua família foi responsável por grande parte da horticultura do bairro de Vargem Grande. Com o fim da agricultura, manteve seu quintal como um lugar de memória desse passado agrícola do Sertão Carioca.
Lembro de um episódio bem bacana. Um dia chego à casa de Maria do Céu e, em meio a uma calçada próximo à porta, estava um pé de couve, de uma variedade específica muito típica da culinária portuguesa: a couve troncha ou tronchuda. Chamava a atenção no quintal pois emergiu de uma rachadura do quintal. A Maria do Céu então nos contou, que seu falecido pai costumava pendurar os ramos de couve para secagem e colheita de sementes. Entendemos então que, mesmo em meio ao concreto de sua atual condição urbana, uma semente inerte por quase duas décadas, emergiu com força. A agricultora então estava esperando que esse exemplar único, por sua vez, desse sementes para inaugurar novo ciclo de propagação da couve portuguesa.
Essa é a Maria do Céu que trouxe a cúrcuma, como uma novidade propagada em nossas roças e quintais. Somos gratos a ela por essas lições de vida que nos passa.
Sua experiência foi apresentada e incorporada ao Projeto Profito (Fiocruz). Através da troca de sementes e intercâmbios, já é cultivada por vários produtores ligados à Articulação Metropolitana de Agroecologia.
Esse cultivo é de relevância para a atenção primária do Sistema Único de Saúde. Faz parte de um futuro desejado, onde as consultas de nutrição através das Estratégias Saúde da Família disseminem os benefícios dos produtos da agricultura familiar. Ao adquirir e promover esse produto, estamos apoiando também a transição agroecológica do entorno do Parque Estadual da Pedra Branca. Solicitamos seus comentários, sugestões e receitinhas através do email agrovargem@yahoo.com.br.
Agradeço,
Silvia.

Cúrcuma, o açafrão da terra.
Os rizomas são utilizados como um tempero aromático. Em sua forma natural ou fresca, a cúrcuma exala um sabor sutil e exótico ao ser adicionado ao arroz, macarrão, pastas de soja ou ricota e até em saladas de frutas.
Raramente vistos pelas bandas do Sertão Carioca. É mais conhecida como açafrão da terra. Produzem flores lindas, podendo ser utilizadas para decoração, pois tem uma vida longa quando colhidas. A cúrcuma é
mais encontrada nos mercados cariocas em pó, já beneficiada. Também é muito conhecida como um dos
ingredientes do ‘curry’, um tempero de origem indiana.

E eis que no dia da entrega, tendo pedido a Cúrcuma, recebo-a nesse saquinho de juta. Um mimo da Maria do Céu.

Segue abaixo uma receita graciosamente cedida pela nutricionista Mariana Zogaib Mata Roque (com adaptação).

TABULE DE FEIJÃO BRANCO

Ingredientes
1 xíc chá de trigo para quibe
1 xíc chá de feijão-branco cozido e escorrido
1 xíc chá de tomate sem pele e sem semente em cubos
1/2 xíc chá de pepino ralado
1 cebola média ralada
1 xíc chá de salsa picada
4 colh sopa de folhas de hortelã picadas
1 colh sopa de açafrão da terra (Cúrcuma)
sal e pimenta-de-macaco a gosto
3 colh de sopa de suco puro de limão
6 colh de sopa de azeite.

Preparo
Lave o trigo em água corrente, cubra com água (o suficiente p/ cobrir, não coloque água demais) e
com o açafrão. Deixe de molho por 30 minutos. Misture com o feijão, o tomate, o pepino, a cebola,
a salsa, a hortelã e tempere com sal, pimenta, o limão, o azeite e mais uma pitada de açafrão.
Mantenha na geladeira até o momento de servir.

domingo, 28 de julho de 2013

DICA PARA SUBSTITUIR O OVO NAS RECEITAS

Nossa última discussão na Rede foi sobre os ovos. A logística para se ter os ovos semanalmente encarece
os mesmos. Então, ou mudamos o produtor ou ficamos com os mesmos menos vezes por mês.
Algumas pessoas quase entram em "pânico" só de pensar...
Diante disso, com a possibilidade de falta do produto, resolvi colocar umas dicas sobre como podemos
substituir os ovos nas nossas receitas.
Pra minha sorte a Revista dos Vegetarianos de junho me deu esse conteúdo de bandeja.
"Com o tempo e informação, você vai descobrir que dá para fazer muita coisa quando se conhece a química
dos alimentos. Por exemplo, o ovo da receita de um bolo pode ser substituído por semente de linhaça ou de
chia hidratadas (o resultado é um gel).
Coronel ovo
É como se ovo fosse um ditador na cozinha.

PANQUECA
Na panqueca, ele está para aumentar a elasticidade e dar resistência à massa, além de deixá-la menos pálida
e levemente aerada. Essa mesma textura da panqueca pode ser obtida com o uso de linhaça, amido de milho ou polvilho.
Uma pitada de fermento ou bicarbonato promove a aeração. Já para a cor, pode-se usar tanto a cúrcuma (amarela) quanto sucos coados de vegetais. Aqui no Blog tem uma receita que usamos brócolis.
Se, nesse caso, o ovo participa como coadjuvante, em outras preparações ele é o protagonista, como no caso da omelete.

OMELETE
Para se obter o resultado mais parecido com a omelete original, você pode misturar o tofu com algum elemento para dar mais firmeza, como polvilho ou farinha de grão-de-bico. Para dar a cor e o sabor, pode-se colocar cúrcuma.Em seguida, a mistura dever ser cozida em fogo baixo. Mas se o que se busca é apenas praticidade, é possível se obter ótimas fritadas utilizando vegetais, como beringela ralada, repolho fatiado e escaldado ou até mesmo batata escaldada e ralada, misturados a outros ingredientes e prensados na frigideira.

Bolo sem ovo
Nas receitas de bolo a gema está ali para dar a liga e a clara, para incorporar ar na massa, deixando-a leve e macia. Essa liga, pode ser obtida com o gel produzido a partir da hidratação da semente de linhaça ou de chia. Coloca-se uma colher de sopa da semente escolhida de molho em três colheres de sopa de água, por 15 minutos. Assim você obtém uma quantidade de gel para substituir um ovo em qualquer receita. Esse truque, porém não serve para substituir a clara do ovo. Esse truque não se aplica a receitas onde a gema é o ingrediente principal como no pão de ló e no quindim.
Thelma Barbosa, da Doçaria Flor do Cacau, em São Paulo, revela que "as farinhas com o óleo e os líquidos nas quantidades corretas vão dar a liga necessária; e o fermento químico com o vinagre de vinho branco na mistura morna vão ajudar a incorporar ar na massa, além do tamanho adequado da forma, temperatura do forno e tempo correto para assar."

BOLO GELADO (André Vieland)

Ingredientes
2 1/2 xíc de far de trigo
1 xíc de água
1 xíc de leite de soja
1/4 xíc de açúcar cristal
1/2 xíc de óleo
2 colh sopa de fermento em pó
2 colh sopa de vinagre

Ingredientes para a calda
1/2 xíc de leite de coco (esta receita também está no Blog)
1 xíc de água
1/2 xíc de açúcar
1 limão
coco ralado para empanar

Preparo
Em uma tigela grande, peneire os ingredientes secos da massa e misture. Vá acrescentando os ingredientes
líquidos da massa e continue misturando o preparado. Por último, coloque o vinagre e misture até a massa
estar bem cremosa. Despeje a massa em uma forma untada e leve ao forno médio, pré aquecido, por aproximadamente 40 minutos.
Teste com uma faca ou palito para ver se está assado. Quando assar, retire do forno e deixe esfriar. Em seguida, retire-o da forma e corte-o em pedaços retangulares ou quadrados. Misture os ingredientes da
calda e passe os pedaços de bolo nela para que todos os lados biquem bem úmidos. Empane com o coco ralado, embrulhe e deixe na geladeira por cerca de 6 horas.
Rende 12 porções

Fonte: Revista dos Vegetarianos nº 80, junho de 2013
Você também pode encontrar a Revista dos Vegetarianos no Facebook https://www.facebook.com/RevistaVegetarianos?fref=ts

domingo, 7 de julho de 2013

BOLO DE CENOURA COM MANDIOCA (SEM GLÚTEN)


Recebi esse email de Bibi.

"Oi Rosangela,
Vi no site que tem duas receitas de bolo de cenoura (com ovo e sem ovo) e lembrei de uma terceira, que é sem gluten!
É do blog da Neide Rigo. Ela recomenda 5 ovos mas eu acho que daria para fazer somente com 3 ovos,
pois fiz esta mudança em outra receita que ela passa, da torta de mandioca salgada e deu super certo.
Bjs"

BOLO DE CENOURA COM MANDIOCA (SEM GLÚTEN)

Ingredientes 
Massa
3 ovos
1/2 xíc de óleo ou azeite
180g de cenoura (2 médias) cortada em rodelas
180g de mandioca crua descascada picada em cubos
1 xíc de açúcar
1 pitada de sal
1 xíc de farinha de mandioca bem fininha (tipo baiana ou polvilhada de Santa Catarina)
1 colh sopa de fermento

Cobertura
1/2 xíc de açúcar
1/4 de xíc de leite
4 colh sopa de chocolate em pó
1 colh sopa de manteiga

Preparo
Coloque no liquidificador os ovos e o óleo. Ligue o aparelho e vá juntando as rodelas de cenoura.
Em seguida, junte a mandioca picada. Bata bem até ficar tudo bem triturado. Passe para uma tigela e junte o açúcar, o sal, a farinha de mandioca e o fermento. Mexa com batedor de arame e despeje em forma média com buraco no meio untada com manteiga e polvilhada com farinha de mandioca. Leve ao forno médio e deixe assar por 40 minutos ou até ficar dourado e firme. Desenforme e coloque a cobertura.

Cobertura: misture todos os ingredientes e leve ao fogo. Deixe cozinhar, mexendo de vez em quando,
até adquirir consistência de mingau. Espalhe sobre o bolo.

Rende: 16 fatias

http://come-se.blogspot.com.br/2009/09/bolo-de-cenoura-com-mandioca-sem-gluten.html

OBS: Na postagem seguinte está a receita da torta de mandioca salgada.

TORTA SALGADA DE AIPIM


Continuação do email de Bibi.

"Aproveito para mandar também a receita da torta de mandioca salgada com as adaptações que fizemos
aqui em casa. Se utilizar o aipim ralado da terra prometida, não precisa nem do liquidificador - mistura
tudo direto na tigela!
Nesta eu reduzi tanto os ovos quanto a manteiga e excluí o requeijão."

TORTA SALGADA DE AIPIM (DE LIQUIDIFICADOR)

Ingredientes
Massa
500 g de mandioca descascada (+ ou - 3 xíc cheias)
3 ovos grandes
100 g de manteiga
1/2 colh (chá) de sal ou a gosto
2 colh sopa de queijo parmesão ralado
Manteiga para untar e farinha de mandioca para polvilhar
Leite até dar o ponto (+ ou - 1/3 de xíc)
1/2 colh sopa de fermento químico em pó
+ou- 3 colh sopa linhaça (optativo)
Optativo: 200 g de requeijão de prato (ou cream cheese ou catupiry)
Coloque por cima gergelim (optativo) e queijo.

Recheio
200 g de tomates-cereja cortados ao meio
1 cebola picada
1/4 de xícara de cheiro verde picado
Sal e pimenta de macaco a gosto

Outras opções de recheio
  • Abobrinha (só com alho, orégano, salsinha ou com tomate, tomate seco, manjericão)
  • Mistura de atum, cebola e ervilha.
  • Qualquer recheio de torta de liquidificador
Preparo
Coloque os ovos e o leite no liquidificador e vá juntando a mandioca em pedaços pequenos, aos poucos
até formar uma massa não muito mole. Despeje na tigela e junte os demais ingredientes.
Unte uma forma de torta com manteiga, polvilhe com farinha de mandioca e despeje nela metade da massa.
Espalhe o recheio e complete com a massa restante.
Polvilhe com queijo ralado, gergelim (optativo) e leve ao forno médio.
Deixe assar por cerca de 40 minutos ou até a torta ficar com a superfície dourada. Sirva quente.
Obs: Caso o aipim já esteja ralado, pode misturar tudo diretamente na tigela, apenas batendo os ovos
primeiro.

TORTA DE MANDIOCA COM TOMATES

Ingredientes
Massa

500 g de mandioca descascada
3 ovos grandes
100 g de manteiga
3/4 de xícara de leite
1/2 colh chá de sal ou a gosto
3 colh sopa de farinha de mandioca polvilhada
1/2 colh sopa de fermento químico em pó
2 colh sopa de queijo parmesão ralado
Manteiga para untar e farinha de mandioca para polvilhar

Recheio
200 g de tomates-cereja cortados ao meio
1 cebola picada
1/4 de xícara de cheiro verde picado
Sal e pimenta de macaco a gosto

Preparo
Bata no liquidificador a mandioca com a água (primeiro coloque a água, ligue o aparelho e vá juntando
a mandioca em pedaços pequenos, aos poucos). Quando virar uma massa, coe num pano fino, espremendo
bem. Coloque esta massa espremida numa tigela e reserve. No liquidificador coloque os ovos, o requeijão,
a manteiga e o leite. Bata para misturar bem, despeje na tigela e junte o sal, a farinha de mandioca
e o fermento. Misture bem com um batedor de arame. Unte uma forma de torta com manteiga, polvilhe
com farinha de mandioca e despeje nela 3/4 da massa. Por cima, espalhe o recheio (todos os ingredientes
misturados) e complete com a massa restante. Polvilhe com queijo ralado e leve ao forno médio. Deixe
assar por cerca de 40 minutos ou até a torta ficar com a superfície dourada. Sirva quente.

Rende: 10 porções

Receita adaptada por Conceição e Bibi (a pimenta de macaco é minha sugestão, por ser melhor que a do reino)
http://come-se.blogspot.com.br/2009/09/torta-com-massa-de-mandioca.html


domingo, 16 de junho de 2013

BOLO DE AIPIM DE MARIANA

Mariana, a Gastrônoma, me enviou esse email.
Oi Rosangela, não sei se já tem receita no blog de bolo de aipim, fiz um que ficou muito bom! 
Lá vai a receita.

BOLO DE AIPIM

Ingredientes   
1kg Aipim 
2 ovos
1 xic de leite de coco
1 pitada de sal
1 colher de manteiga
1 1/2 xic de açúcar
11/2 xic de água  mineral

Preparo
Ralar o aipim no ralo médio, acrescentar a água e deixar repousar. Passar por um pano limpo.
Descartar a água e só usar a goma. Misturar todo os ingredientes  no liquidificador inclusive a
goma. Untar uma forma . Assar em 200 graus por 30 min. Esperar esfriar e desenformar. Essa receita
funciona também batendo todos os ingredientes no liqüidificador porém a consistência fica mais mole.

OBS: Na realidade nós já temos uma enviada por Julia mas nada impede que tenhamos outra.

domingo, 26 de maio de 2013

ARROZ MALUCO

Conversando com Cristina, de Seropédica, sobre o aproveitamento das folhas mais duras do Radicchio,
ela me mandou uma receita.

Repasso o email que ela me enviou.

Rosângela, boa noite,

Lembrei da nossa troca de emails sobre as folhas duras do radicchio.
Segue uma receita para aproveitamento de folhas mais duras que poderiam ir para o lixo mas que podem ser muito bem aproveitadas num arroz maluco.

ARROZ MALUCO

Ingredientes
Arroz já pronto
alho
azeite
cenoura
escarola, chicória, radicchio, almeirão branco, rúcula, alface, couve, brócolis ou outras

Preparo
Prepare o arroz como de costume (aqui em casa refogamos o arroz com alho e açafrão - fica amarelinho). Em outra panela, doure alho bem amassado com um pouco de azeite. Desligue o fogo e adicione cenoura raladinha e as folhas picadas bem finas de escarola, chicória, radicchio, almeirão branco, rúcula, alface, couve, brócolis ou o que tiver na cozinha. Deixe as folhas murcharem na panela enquanto o arroz fica pronto. Quando o arroz estiver cozido, transfira-o para o refogado de folhas e mexa bem. Está pronto para servir.

OBS.: Aproveito as folhas que não são apropriadas para salada, folhas mais duras, externas que poderiam
ser descartadas. Coloco mais de 3 tipos de folhas. É incrível a quantidade de folhas que se consegue aproveitar e o arroz fica muito nutritivo e delicioso.

A foto vai anexa para verem o quão bonito fica o arroz maluco.
Abraços

terça-feira, 7 de maio de 2013

RISOTO DE SHIMEJI

foto.JPG 
Mariana, a Gastrônoma, me enviou mais uma receita e com foto.
Fiquei super contente!
Aí vai.

"Oi, Rosangela mais uma receita! Toda com ingredientes da Rede!" 

RISOTO DE SHIMEJI

Ingredientes
Arroz integral agulhinha ou cateto
Colorau
Manjericão
Alho
Shimeji branco

Preparo
Fazer o arroz como de costume, colocando o colorau para ficar vermelhinho. Refogar o alho à parte, adicionar o shimeji, acrescentar a quantidade de arroz que deseja. Por fim, colocar o manjericão
picadinho.

sexta-feira, 3 de maio de 2013

SUCO DE LIMÃO GALEGO, MANJERICÃO E COUVE

 


Mariana, Gastrônoma do nosso núcleo, me mandou esse email.

Oi, Rosangela, testei uma nova receita.

SUCO DE LIMÃO GALEGO, MANJERICÃO E COUVE

Ingredientes
suco de 2 limões galego
20 folhinhas de manjericão
3 folhas de couve com talos

Preparo
Bater no liqüidificador e adoçar a gosto.

Fica bom demais!

quinta-feira, 25 de abril de 2013

PIMENTÃO CAMBUCI RECHEADO E ASSADO

image.jpeg 


Ontem recebi esse email de um associado do nosso núcleo com essa receita, que compartilho com vocês.

Oi Rosangela,

Muito boa a dica do Tiago e da Mariana para rechear e assar o pimentão cambuci, também conhecido como pimenta cambuci, chapéu de bispo ou chapéu de frade.

PIMENTÃO CAMBUCI RECHEADO E ASSADO

Ingredientes
pimentão cambuci
sal
açafrão
Manjericão
azeite

Preparo
Cortar uma tampinha, colocar manjericão e azeite dentro, salpicar sal e açafrão por cima e assar por mais ou menos meia hora.

Ficou realmente uma delícia.
O interessante é que o pimentão vermelho é bem mais doce que o verde. Não sei se é porque tá maduro ou é outra qualidade mesmo.
E também uns ardem e outros não, independente da cor.
Estou repetindo o prato hoje, colocando vários recheios diferentes - um prato com diversos sabores.
Abs, Renato.

domingo, 14 de abril de 2013

AINDA PERAS

Ainda sobre as peras, Bibi enviou esse email.

Oi gente,
Escrevi ao Pedro, da Aprucare, perguntando um pouco mais sobre as peras. Segue o email dele. Ele mandou (no anexo) um texto feito pela Helene, muito legal!
Rosangela, vc acha que poderia ser publicado no blog?
Bem, a safra já acabou, mas quem sabe na próxima vez...
Bjs, Bibi.

Bibi,
No dia do Mutirão também cobrei do Pedro e Helene uma receita deles para colocarmos no blog.
Está muito bom. Vou colocar sim, Bibi.
Bjs,Rosangela.

Coloco abaixo também o email do Pedro para a Bibi, com as respostas específicas sobre as peras.

Oi Bibi,
Abaixo respondo as perguntas copiando do mail que vc mandou.
Bibi: Queria te perguntar uma coisa mais, quem produz esta pera?
Pedro: As entregas desse ano foram praticamente todas lá de casa, porque a produção foi extraordinária,
mas sempre temos a preocupação de incluir do pessoal que está mais próximo. Isso vale pra outras frutas
e legumes (abacate , limão , pêssego , abóbora, etc..).
Bibi: Ela é fruta de quintal ou já foi comercial algum dia?
Pedro: São 2 pés muito antigos que não recebem maiores tratos culturais do que pode de limpeza (erva de passarinho)
Bibi: Ela é mais rústica?
Pedro: Como falei acima ..são muito rústicas e antigas...melhor adaptadas impossível !!!

Aí vai copiado o lindo anexo de Hélène, falado por Bibi. E, como não podia deixar de ser, a receita da panqueca.

PERA-PAU
É uma fruta muito versátil. Crua ou cozida, é deliciosa!
A pêra-pau também é conhecida como pêra dura, principalmente pelo seu porte e consistência, mas é
surpreendentemente suculenta!!!
 Alguém sabe como se come pêra-pau? Eu sei!
Pêra-pau se come como pêra-maçã, como... pêra de todo tipo!
Suculenta, firme e refrescante. É só descascá-la e comê-la, assim, como quem come uma maçã... ou se quiser, pode cortá-la em quartos, ou em pedacinhos... estes pedacinhos podem ser colocados em uma
tigela e serem comidos com iogurte e granola, ou müsli, ou quem sabe, você prefere saboreá-la em uma
salada de frutas!
Pode-se também fazer suco e juntar à beterraba ou à cenoura, ou mesmo o limão, a amora ou... o que você quiser... é só bebê-la à vontade, pois rende muito.
Cozidinha faz-se uma deliciosa compota, ou geléia ou doce de corte.
De todo jeito ela é linda e vou lhes contar a história das pereiras lá de casa, na Serra da Mantiqueira, a 1.500m de altitude).
Este ano, 2013, foi uma safra de pêra muito boa. As frutas ficaram bonitas, saborosas, enormes... nem
sempre é assim. Às vezes o vento derruba suas flores brancas setembrinas e faz o chão ficar todo branco
com suas pequeninas pétalas, é lindo! Outras vezes, vem um frio fora de tempo e atrapalha o desenvolvimento de seus pequenos frutos. São árvores grandes, altas, seus galhos parecem querer alcançar o céu. São árvores tradicionais na região. Destas pereiras uma delas é quase secular. Me disse o Sr. Joaquim que quando ele era menino, a pereira já era grande... quando ele me contou, ele mesmo já tinha mais de setenta anos... isso já faz uns bons 15 anos... ou seja, 70 + 15 = 85 (mais alguns anos antes dele...)
eu diria que ela tem, no mínimo, uns 90 anos!!!
Na quinta-feira passada, colhemos as frutas, uma a uma, sem que caíssem no chão (aquelas que por ventura
caíam eram encaminhadas para a pilha das “peras para fazer doce”). Enfim, depois da colheita, descemos
para a cidade, e na sexta-feira, descemos para o Rio de Janeiro e participamos do mutirão, separando as devidas quantidades para cada núcleo da Rede Ecológica. Algumas peras chegavam a medir uns 15 cm de diâmetro e eram tão grandes que imaginei que isso dificultaria a distribuição, então fui entremeando menores e maiores, pra facilitar a tarefa da divisão para cada associado no núcleo.
Foram várias horas pesando e juntando os diferentes produtos para atender aos pedidos dos associados.
Quem participa dos mutirões sabe como é.
Minha neta de três anos e meio estava conosco. Veio para o Rio de Janeiro visitar as tias, tios, as Bis e o Bisavô... Ela até que se integrou bem com o grupo do mutirão, desenhou e puxou conversa com todo mundo. Apesar de ter viajado 4 horas, e ter chegado já direto no mutirão, ela se divertiu e comeu o quê? Pêra-pau!!! Assim, no dente e depois, aos pedacinhos.

PANQUECA DE PÊRA
Estou comendo, exatamente agora, uma panqueca que fiz com a pêra e a cenoura e um pouco de leite
– mas acredito que se preferir não colocar leite, dará certo do mesmo jeito. E a panqueca ficou linda, a cenoura e o ovo caipira dão um toque de cor alaranjada... passei um tiquinho de mel – quase cristalizando, pastosinho... e aí nhaummmmmmm ... mmmmmmmm... delícia, dá licença que eu tenho que virar a minha panqueca de pêra!
Fazer panqueca ou bolo de pêra, como se faz bolo de cenoura (pode fazer ½ a ½ - pêra e cenoura).

SOBRE A PERA:  A. Balbach em seu livro As Frutas na Medicina Doméstica que “presta bons serviços
para os hipertensos” além de ser DIURÉTICO....
Suco de pêra é uma delícia!
Hélène Arthur Delmonte

Nós já temos no blog a receita de panqueca é só colocar os devidos acréscimos sugeridos por Hélène.
http://ecosdarede-receitasecologicas.blogspot.com.br/search/label/Br%C3%B3colis

Antes de Bibi me mandar esse email eu já estava preparando uma postagem de bolo de cenoura e veio a calhar essa sugestão da Hélène de colocar peras no bolo de cenoura. Coloquei na postagem do bolo abaixo. Experimentem!

BOLO DE CENOURA COM OVO E SEM OVO

Semana passada minha sobrinha fez aniversário e queria comer um bolo de cenoura. Como o boleiro daqui
de casa é o meu filho, ele fez para ela.
No sábado, conversando na entrega da Rede, Lucas me disse que queria comer um bolinho da Camila mas
desistiu quando viu que tinha ovo.
Vai aqui, a nossa tradicional receita, que é do livro À Moda da Casa da Amizade que ganhei de Celina, uma amiga especial, que foi minha professora na Faculdade de Pedagogia. Não fiz a cobertura que estava
no livro porque queria uma daquelas açucaradas, quebradiças mas acabou não ficando assim.
Coloco também, Lucas, em sua homenagem uma receita que eu já tinha sem ovo. Se você experimentar, depois me diga como ficou.

BOLO DE CENOURA (À MODA DA CASA DA AMIZADE)

Ingredientes
2 xíc chá de far de trigo
1 xíc chá de óleo
2 xíc chá de açúcar
1 colh sopa de fermento em pó
3 cenouras grandes picadas
3 ovos

Preparo
Bata a cenoura, o  óleo, o açúcar e as gemas no liquidificador. Junte numa tigela a farinha, o fermento, o creme batido no liquidificador e, por último, as claras em neve. Leve ao forno para assar em forma untada.

COBERTURA
Ingredientes
3 colh sopa de manteiga
3 colh sopa de água
6 colh sopa de chocolate
6 colh sopa de açúcar

Preparo
Leve tudo ao fogo, mexendo sempre, até virar uma calda grossa. Perfure o bolo e coloque ainda quente.

BOLO DE CENOURA SEM OVO

Ingredientes
2 cenouras grandes trituradas no liquidificador       
2 xíc de açúcar                   
2 xíc de leite de soja ou água
4 xíc de farinha de trigo               
1 xíc de óleo vegetal
2 colheres de sobremesa de fermento químico

Preparo
Peneire todos os ingredientes em pó numa tigela, com exceção do fermento. Adicione os ingredientes
líquidos, a cenoura batida e o óleo. Bata na batedeira até obter uma consistência cremosa e misture
até incorporar. Coloque no forno pré-aquecido em temperatura baixa e asse por 35 minutos.

Fonte: “Lar Vegetariano” 1- Livro de receitas: “Quitutes do Rafa” Vegan Chef  ED. NATUREBA Edição de
Aniversário – Chef Vegan Cozinhando em harmonia com a Natureza!

sábado, 30 de março de 2013

GRÃO DE BICO

Na Rede não temos Grão de Bico, o que é uma pena porque adoooro!
Vou colocar hoje algumas receitas porque vai ser um dos pratos do domingo de Páscoa.
Já temos algumas pastinhas que postei atendendo ao pedido de minha amiga Dani, que agora está vivendo
em Olinda, lugar que um dia vou conhecer, no carnaval, para ver aqueles bonecos gigantes desfilando.
Vcs podem ver em
http://ecosdarede-receitasecologicas.blogspot.com.br/search/label/Gr%C3%A3o%20de%20Bico

Quando eu estava 100% no Alimento Vivo, nos tempos mais frios, adorava comer uma sopinha aquecida de
Grão de Bico. Gosto muito também de fazer Hummus tahine (o pessoal gosta bastante quando faço), Salada
de Grão de Bico com ou sem bacalhau e de comer puro mesmo, depois de cozido, enquanto vou descascando-o.
Mas o que me trouxe aqui mesmo foi a receita, que vou experimentar, do Programa Estrelas, ensinada pela Bia Seidl.

GRÃO DE BICO COM ESPECIARIAS

Ingredientes
1 cebola cortada em pedaços pequenos
4 tomates sem pele e sem semente
3 copos de grão de bico cozido e sem pele
(separe 1/2 copo para bater no liquidificador até formar um purê ou creme)
1 colher de chá de páprica picante
1 colher de chá de coentro em pó
1 colher de chá de pimenta de macaco
1 colher de chá de açafrão
1 colher de chá  de curry
1 pitada de sal
1 copo de água
1 pitada de assa-fétida
1 colher de sobremesa de ghee (receita abaixo)

Preparo
Esquente o ghee, adicione o coentro, deixe aquecer um pouco e coloque os demais temperos: curry,
assafétida, páprica, sal, açafrão, pimenta… Deixe fritar por 30 segundos, adicione a cebola e refogue
bem, em seguida coloque o tomate. Mexa bem e deixe cozinhar por 5 minutos. Misture o grão de bico,
a pasta de grão de pico e um copo de água. Deixe no fogo por mais 15 minutos. E pronto! Para acompanhar uma boa dica é o arroz integral!

GHEE - MANTEIGA CLARIFICADA

Ingrediente
1 Kg de manteiga

Preparo
Aqueça a manteiga em fogo baixo e contínuo. Retire as impurezas e espuma branca que se forma no
aquecimento da manteiga. Quando um líquido puro e de cor âmbar surgir, desligue o fogo, pois o ghee
ficou pronto.

SOPA VIVA DE GRÃO DE BICO
Ingredientes
grão de bico germinado (nós temos aqui no Blog, à direita as orientações de como germinar)
alho
azeite
cheiro-verde ou talos de agrião
sal ou missô

Preparo
Retire as cascas do grão de bico germinado e passe no liquidificador com um pouco de água, de forma
que fique um creme, não muito grosso nem muito ralo. Numa panela de barro, coloque alho triturado e
vá refogando com a mão, acrescente o creme e fique mexendo, enquanto sua mão aguentar, que é mais ou
menos a 45º,temperatura que nossa mão suporta, mantendo as enzimas vivas. Tempere com sal ou missô.
Faça um molhinho com o cheiro-verde picado ou os talos de agrião cortados bem fininhos, um pouquinho
de água, azeite, limão, temperando com sal a gosto. Colocá-lo por cima da sopa.

HUMMUS TAHINE

Ingredientes
1/2 pacote de grão de bico
limão (se for pequeno use a metade)
1 dente de alho
1 colh chá de tahine
sal
azeite
salsa

Preparo
Deixe o grão de bico de molho à noite. No dia seguinte retire a casca e cozinhe-o. Sem a casca ele
cozinha muito rapidamente, não precisa colocar na pressão. Deixe esfriar e coloque no liquidificador
com um pouco do caldo, o alho, o tahine, o sal e o limão. Bata bem até formar uma pasta, se ficar dura
coloque um pouco mais do caldo. Coloque em um pote com salsa picada e azeite por cima.

FONTE
http://tvg.globo.com/programas/estrelas/programa/platb/category/receitas

segunda-feira, 25 de março de 2013

PERAS AO VINHO



Aí vão algumas impressões dos associados sobre as peras duras ou peras pau.
Cristina: Eu não gosto, acabei fazendo suco, que é muito gostoso.
Julia: Acabei de comer uma pera (não tão madura) e ADOREI. Com certeza é boa pra fazer doce, mas comi (cortada em 4 pedaços) e fiquei maravilhada com o sabor.
Eduardo: Eu comprei e comi quase todas, o gosto parece com a pera portuguesa, mas ela é mais dura um pouco, mas é saborosa. As peras vieram de vez, e temos que aguardar um pouco para amadurecer, eu comecei a comer quando, começou a aparecerem umas partes macias, que indicavam, que já estavam passando da hora. é bom saber dos produtores, como identificar melhor quando estão maduras.
Ana: Eu tive muita paciência, comí umas verdes bem duras, e outras amadureceram ficaram com mais suco, mas não eram exatamente uma iguaria.  Mas a proposta de pera mais salutar me interessou.
Rafaela: Eu fiz as peras cozidas ... com sagu ... ficou muito bom! (estamos aguardando a receita)
Renato: Aqui em casa todo mundo é fã da pera, começando pelo Luquinha (6meses) que gosta de coçar a gengiva e se refrescar com o caldinho.O legal é que ela dura bastante mantendo a consistência  e você pode comer até a casca sem medo de contaminações.

E aqui vão as informações do produtor.
Bom dia pessoal,
acabo de ver os emails a respeito das peras e confesso que houve falha da nossa parte na hora de oferecer aos cestantes...faltou informação a respeito do produto que não é conhecido ai no Rio.
Essa pera é de consistência firme mesmo!  Aqui é conhecida como pera pau ou pera maçã, mas é bastante suculenta e muitas pessoas gostam de consumi-la  in natura, por conta dessa consistência mais dura mesmo,  assim como o caqui fuyu e outras frutas que são diferentes do usual.  
Abraços, PEDRO ROBERTO DELMONT.

PERAS AO VINHO
Ingredientes
. 4 peras duras pequenas (escolha peras firmes)
. Suco de 1 limão
. 300 ml de vinho tinto
. 150g de açúcar mascavo
. 1/2 xícara (chá) de água
. 2 pedaços de canela em pau
. 4 cravos
. pimenta de macaco

Preparo
Descasque as peras mantendo o cabinho. No final, faça um corte na base de modo que a pera fique em pé e regue com o suco de limão. Em uma panela, ponha as peras, o vinho, o açúcar, a água, a canela e os cravos. Deixe ferver, em fogo brando e cozinhe por 20 minutos ou até ficarem macias. Retire as peras e as especiarias do vinho, reserve e mantenha o caldo no fogo até ele reduzir em 1/3 mais ou menos, formando um molhinho mais encorpado. Deixe esfriar. Distribua em taças individuais, sobre cada uma coloque uma pera e a calda por cima. Polvilhe a pimenta. Daí é só escolher - ou leva para a geladeira e serve gelada ou na temperatura ambiente mesmo. Se quiser, coloque ao lado, uma bola de sorvete.

O vinho que temos na Rede é o De Cezaro, que é muito bom e cuja cantina está localizada no Rio Grande do Sul, no município de Farroupilha.
 
Fonte
http://mdemulher.abril.com.br/culinaria/receitas/pera-ao-vinho-creme-402330.shtml
http://www.rainhasdolar.com/index.php?itemid=1669

domingo, 3 de março de 2013

CARPACCIO DE MANGA

 
No site do Doce Limão encontrei o que Conceição diz ser "uma receita tri-saborosa, linda, colorida, aromática, suculenta, que só de imaginar já dá água na boca."
Vamos ver se ainda encontramos manga para fazê-la.

CARPACCIO DE MANGA COM CHOCOMEIXA
Ingrediente e preparo da base
1 manga tomy madura, porém al dente, para poder laminar as fatias finas. Ideal ir laminando em diagonal para que as fatias fiquem maiores.

Ingredientes creme (chocomeixa)
1/2 xíc chá de ameixa seca, sem caroço e picada
suco fresco de 1 laranja pêra
2 colheres (sopa) de nibs de cacau (opcional chocolate em pó do padre, sem açúcar, confesso, não tão gostoso).

Preparo do chocomeixa
Deixe a ameixa e o nibs de cacau de molho no suco de laranja por uns 30 minutos. Leve tudo para o liquidificador (ou processadora) e triture até obter um creme homogêneo ou pedaçudo, conforme desejar.

Montagem
Arrume sobre um prato bem bonito as lâminas de manga, uma ao lado da outra, cobrindo todo
o prato. Coloque sobre as lâminas o creme de chocomeixa. Por último, decore com a semente germinada
que desejar. Pode ser castanha do Pará ralada, nozes quebradas, lâminas de amêndoas ou mesmo girassol
sem casca.

Dicas
No lugar da manga pode-se substituir por maçã, pera, mamão etc.
No lugar da ameixa seca pode-se substituir por tâmara, uva passa, damasco, etc.
Deixe na geladeira até a hora de servir.

RECEITA DE CARPACCIO DE MANGA

Ingredientes   
1 ¾ de xícara (chá) de água
1 xícara (chá) de açúcar
Suco de 1 limão
Pimenta de macaco
2 mangas palmer cortadas em fatias finas
5 folhas de hortelã cortadas em tiras finas

Preparo
Leve a água, o açúcar, o suco e a pimenta ao fogo até ferver. Desligue e coloque a manga na
calda. Reserve e gele por duas horas, pelo menos. Acomode a fruta sem a calda em dois pratos e disponha
a hortelã sobre ela com um pouco da calda. Sirva em seguida.

Receita de Conceição Trucom
Fonte: http://www.docelimao.com.br/site/desintoxicante/alimentacao-viva/1109-carpaccio-de-manga-com-chocomeixa
Receita de Celia Caceiro
http://receitasparadieta.com.br/carpaccio-de-manga/

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

PANQUECA DE BRÓCOLIS

Comprei um brócolis e resolvi aproveitá-lo 100%, coisa que nem sempre consigo pois meu marido não tem paciência para determinadas coisas.
Descaquei os talos e, junto com as flores, cozinhei no vapor.
Comemos como salada.
Piquei as folhas bem fininho e refoguei como couve.
O que sobrou da salada, meu filho colocou na massa da panqueca (que é uma receita antiga e que sempre fazemos) e comentou comigo que gostou mais do que quando é feita com espinafre.
Eu também gostei muito.

PANQUECA DE BRÓCOLIS

Ingredientes
2 copos de água
1 ovo
1 colh de sopa de óleo
2 copos de farinha de trigo
1 colh de chá de fermento
sobra de flores e talos de brócolis cozidos no vapor
sal a gosto

Preparo
Colocar os ingredientes no liquidificador na ordem acima ou, pelo menos, a água em primeiro lugar.  
Bater.
Apurar o sal.
Untar a frigideira, ir derramando a massa lentamente e virando a frigideira para que ela se espalhe e ocupe todo o fundo. Use fogo baixo. Você sabe quando ela está frita de um lado quando as beiradas começam a levantar, aí é só virar e fritar o outro lado.
Recheá-las a gosto.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

FRUTAS DESIDRATADAS

Confesso que não sei muito o que fazer com frutas desidratadas sem ser as tradicionais porque nunca tive o hábito de comprá-las. Gosto mesmo é de comer a fruta in natura, suculenta...
Como estamos com uma crescente oferta das mesmas na Rede, fui pesquisar sobre elas.
Atualmente temos salada de frutas, caju, carambola, manga...
A dificuldade encontrada é que as receitas geralmente usam as frutas desidratadas mais conhecidas como ameixa, damasco, passas, banana passa...
Para ganhar aquele tamanho reduzido que cabe nos pacotinho, esses alimentos
passam por um processo de eliminação da água. Assim, o resultado final são porções menores,
com maior concentração de nutrientes e menor chance de os micro-organismos se desenvolverem por ali.
ao serem desidratadas, elas acabam com um alto nível de açúcares, tornando-se mais calóricas que as
versões frescas. Por isso, é importante levar em consideração o que foi perdido de água em cada porção
para não exagerar no consumo. Além disso é preciso hidratá-las porque senão elas roubam água do seu corpo para serem digeridas.
Para a nutricionista do Spa Sorocaba, Renata Fidelis, a conservação e a praticidade são algumas vantagens das frutas secas em relação às frescas. Isso porque elas são práticas de serem levadas para o trabalho, não ocupam espaço e ainda possuem um valor calórico adequado para quem quer emagrecer. A validade de cada porção pode chegar a seis meses e é possível guardá-las até mesmo na gaveta do trabalho, pois elas não exigem refrigeração. Outra vantagem é que as frutas secas estão disponíveis o ano todo, ao contrário das frescas, que em geral são encontradas apenas em alguns períodos.
As versões desidratadas concentram até três vezes mais calorias em menos tamanho. Por isso, a dica é comer uma quantidade que leve em consideração a água perdida no processo de fabricação. Uma porção
de ameixa fresca, por exemplo, tem 70 calorias. Depois de desidratada, esse valor pode chegar a 250 calorias.
Apesar de parecer menor, as porções terão os mesmos nutrientes, com os benefícios já listados.
Nem todos os componentes sobrevivem à desidratação. Um exemplo dado pela nutricionista do spa é a vitamina C, que acaba se perdendo durante o processo por não ser resistente ao calor.

Pelo que vi podemos usá-las em qualquer receita que queiramos.
Estou pensando em fazer uma gelatina com Agar-Agar e frutas desidratadas mas não tenho todos os ingredientes em casa. Fico devendo para uma próxima postagem.

Fonte: http://todaela.uol.com.br/boa-forma/frutas-secas-amigas-da-dieta-e-fontes-de-nutrientes

GELEIA DE GOIABA


 Gosto muito de comer frutas in natura mas tudo junto: manga, goiaba, jaca (fiz um creme com banana e canela cuja receita já tem no Blog) e jamelão lá no terreno, mesmo dando para os outros, não estou dando conta. Aqui quase ninguém come goiaba. Então resolvi fazer uma geleia. A primeira remessa acabou rápido. Agora estou na segunda.

GELEIA DE GOIABA

Ingredientes:
2kg de goiabas maduras sem casca e sem bichos;
Suco de 1 limão;
1/2kg de açúcar cristal.

Preparo:
Descascar as goiabas, lavá-las e cortá-las. Deixei algumas, que vi que não tinham bicho, com caroços porque acho que eles dão mais sabor. Bater as goiabas no liquidificador e depois peneirar para separar as sementes, mas se tiver uma peneira de metal, pode simplesmente pressionar as frutas na peneira até que amassem. Essa massa peneirada vai para a panela com o suco do limão e o açúcar, em fogo baixo e mexendo sempre, pois a geléia pode grudar no fundo, por cerca de 45 minutos. O teste do ponto é o mesmo das outras geléias: pingue um tantinho em um pires, que pode estar gelado, e tombe-o: se a geléia
não escorrer, está pronta.
Nessa foto que tirei o pires está em pé na frente da parede. Na hora não me liguei que tinha que ter um refencial, um quadro ou coisa assim mas já era...
Distribua o doce em vidros esterilizados. Esterelizei deixando ferver numa panela com água por 20min e, como as tampas têm plástico no interior, depois que desliguei o fogo mergulhei-as por uns minutos e retirei.
Conserve na geladeira.

FONTE
http://acozinhacoletiva.blogspot.com.br/2011/11/geleia-de-goiaba-e-lembrancas.html

COGUMELO COM MACARRÃO

Mais uma opção com cogumelos. Resolvi experimentar o cogumelo Hiratake Rosa com o Macarrão Integral da Rede.
Fiz o cogumelo de maneira simples. Refoguei a cebola na manteiga, coloquei os cogumelos lavados e cortados em fatias e dei uma salteada neles, sem deixar secar todo o caldo e acrescentei alcaparras.
Fiz o macarrão ao azeite e alho e joguei os cogumelos nele.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

COGUMELOS I

Vou fazer essa postagem em duas etapas porque achei muito interessante essa vivência que estamos tendo em relação aos cogumelos e uma postagem só ficaria muito grande.

Eu e Cristina íamos a Mauá, conhecer dois produtores para a Rede Ecológica. Comprei o pacote da pousada mas a chuva foi me fazendo adiar a ida. De repente, na sexta-feira da semana passada, soube que Mariana estava indo para Mauá. Falei com ela dos cogumelos, dei os contatos do produtor para que fosse ao encontro dele e pedi que fizesse um relatório para enviar à Rede e agilizar o processo.
Na segunda fui pegar os cogumelos que trouxe pra mim. Eu havia visto eles em fotos e adorei mais ainda vê-los ao vivo e à cores.
Cheguei em casa meu filho estava preparando algo para jantar, então fui procurar uma receita para provarmos como salada o Shimeji branco, o Sajor-caju e o Hiratake rosa que vieram na bandeja.
Eu, que só conhecia o shitake e o champignhom, fiquei maravilhada com a variedade que vi no Mercat St Josep - La Boqueria, em Barcelona (Que saudades!!!), mas fiquei "boiando". Agora vou aprender mais sobre eles e quando voltar poderei apreciar com outros olhos.

Vamos conhecer um pouco do processo e dos nossos produtores, que são o Márcio Guimarães (agrônomo) e Toninho Benevente (técnico), do Sitio Paraná em Visconde de Mauá – RJ. Eles produzem os cogumelos: shimeji branco, hiratakes rosa e amarelo, sajor-caju, carapicu e coralino.

Hiratake amarelo

Carapicú. Sabor que se assemelha ao da batata cozida

Coralino. Levemente picante

REISHI OU COGUMELO DO IMPERADOR
Aqui estão as impressões de Mariana: "Em uma visita de mais de duas horas, pude conhecer não apenas todo o processo de produção dos cogumelos, como o histórico dessa sociedade e pude perceber que estava sendo recebida por dois homens com muito conhecimento sobre a atividade que desenvolvem e também com ideais. Márcio e Toninho estão sempre buscando soluções para aperfeiçoar a produção e introduzir novas espécies, que em breve passarão de seis para onze, entre elas, o shitake. Para fazer frente aos grandes produtores de São Paulo sem perder em qualidade e preço, experimentam técnicas de cultivo de cogumelos raros e com valor medicinal, além de desenvolverem máquinas, ferramentas e técnicas capazes de substituir equipamentos de alto custo. Percebi no Sítio Paraná muitos dos valores presentes nos nossos processos, em especial o respeito ao ambiente e a solidariedade."
É feito um orifício no composto ensacado e prensado para introdução dos esporos.









 Os sacos são marcados por espécie de cogumelo e lote.


Ponto de transferência -saco fica branco










Eles deram como sugestões de consumo: "cozido, refogado ou assado, com azeite ou manteiga, temperado com alho e sal. Puro, como entrada ou prato principal, acompanhando saladas ou carnes, em risotos, massas, saladas, caldos, omeletes, recheio de quibe, pastéis, etc."



Em COGUMELOS II vocês encontram a receita que fiz.

COGUMELOS II

Shimeji Branco
Sajor-caju

Hiratake Rosa
Na entrada dos cogumelos na Rede, surgiu a discussão sobre a embalagem porque eles vêm no isopor e nós, não queremos usá-lo nem descartá-lo. Toda discussão nossa é sempre muito rica. Aprendemos muito e essa não fugiu a regra.
Pensamos em reaproveitar mas Cristina concluiu nos chamando a atenção para o seguinte:
"Tenham muito cuidado com reutilização de embalagem de isopor. Eu não compraria cogumelos em embalagem reciclada de isopor. Não há como garantir a limpeza e a desinfecção devido a porosidade do material. Imagine só, a embalagem pode absorver produtos químicos, pode ficar exposta a ratos, baratas, gatos e outros animais. As embalagens em PET, transparentes como as de tomatinho são adequadas para higienização e podem ser mais seguramente recicladas.  As embalagens de ovos feitas de isopor não devem ser usadas por crianças em trabalhos manuais, pois podem estar contaminadas com Salmonellas e outras bactérias fecais. Abraços"

 
COGUMELOS SALTEADOS* COM ORÉGANO E PIMENTA DE MACACO

Ingredientes
azeite
cebola
cogumelos shimeji branco, hiratake rosa e sajor-caju
pasta de alho e sal
orégano
pimenta de macaco
cheiro-verde

Preparo
Unte a frigideira com o azeite. Coloque a cebola fatiada, doure um pouco e acrescente os cogumelo
lavados e picados. Ele vai criar água, mexa por uns minutos, coloque o orégano, a pimenta e mexa mais
um pouco até secar um pouco. Desligue o fogo e coloque o cheiro-verde picado.

A receita acima foi a primeira que fiz. Depois resolvi experimentar ele mais puro, para saborear mais seu sabor original. Então só lavei, piquei e dei uma salteada neles na manteiga.

* OBS: Fiquei na dúvida se deveria colocar refogar, fritar, saltear e pesquisando encontrei que o salteado pode considerar-se um caso particular de fritura (há autores que lhe chamam «pequena fritura). A principal diferença entre as duas modalidades reside na porção de gordura utilizada, cujo volume, no caso do salteado, é bastante inferior ao do alimento a cozinhar.

Fonte
http://www.prof2000.pt/users/secjeste/culinari/cursobasico/Salteado.htm 

domingo, 20 de janeiro de 2013

MANGAS E GOIABAS

  Nesse mês de janeiro começou um papo na Rede sobre mangas.

Cristina nos presenteou com o seguinte texto:

“Frutas tropicais
Com o coração apertado, joguei na nossa composteira  bacias e mais bacias de mangas e jambos e ainda tenho o chão forrado de acerolas. Também as carambolas já começam a amadurecer (e a cair). Duas bacias e um balde de mangas (cerca de 30 quilos) foram hoje para a rua onde terão chances de serem levadas por passantes. Na semana passada deu muito certo e logo desapareceram. Uma caixa de transporte cheia de mangas, aguarda que eu forme sacolas para levar para os amigos e para a casa de recuperação. Nem menciono as empregadas que levam tudo o quanto suas famílias podem consumir.
Ao mesmo tempo, amadureceram mangas, jambos, jabuticabas e acerolas. Uma profusão de frutas tropicais que jamais conseguiríamos chegar perto de consumir. Manga dura bastante e pode ser congelada. Jambo é melhor comer na hora, mas com boa vontade dura mais um dia, no máximo. Jabuticaba, na geladeira se consegue 48 horas de validade, mais do que isso começa a ficar fermentada. A polpa dá trabalho mas compensa no final.
Como escoar frutas tão perecíveis ???
Como aproveitar essas frutas que a natureza nos proporciona???
Cachorros gostam de manga. Galinhas também e ainda bicam o jambo e a jabutica, mas não parecem gostar de acerola. Os morcegos aproveitam bastante e também os passarinhos cuja comunidade só faz aumentar.
Tenho o freezer recheado de saquinhos com manga e jabuticaba que me levarão folgadamente até a próxima safra. A natureza é tão generosa, mas é uma pena que algumas  frutas tropicais tenham tão pouco tempo de validade e sejam, por isso, de tão complicada comercialização. “

Miriam
comentou:”Fica o desafio. Quem sabe conseguimos contribuir para auxiliar Cristina no escoamento? Esta certamente é a situação de muitos sítios. No caso do jambo, fruta que nunca conseguimos, que tal pensar em um jovem pago para recolher, e mandar para nossa Rede? Outra possibilidade é fazer polpa de jambo!”

Ana respondeu:
"Queridos da Rede,
Também me sinto em sintonia com o relato da Cristina.  Moro em um condomínio que está com o chão das ruas repleto de mangas e carambolas.  Alguns moradores reclamam do transtorno de ter as mangas sujando seus quintais, tomara que não reclamem de fome em futuro próximo....
Hoje acordei cedo e fui catar as mangas do chão das ruas, aproveitando o frescor da noite. Catei as que estavam em bom estado, e como já tenho muitas mangas em casa, levei tudo para a Aldeia de ìndios Guaranis nas proximidades.  Minha mente é plena de agricultura urbana e logo penso em organizar um trabalho com pessoas que tenham interesse em pegar as frutas, aproveitando na própria alimentação e também como fonte de recursos com a venda das preciosidades que vem das árvores. Pensei em oferecer para a Rede ou para lojas de produtos naturais das proximidades. Se pensar é onde tudo começa, então já está começado, vamos todos pensando juntos que esta realidade ganha vida nova em 2013... Oxalá..."

Entrei então no circuito:
Ana,
Pena que eu esteja de férias, senão ia pedir pra vc deixar umas pra mim no trabalho. Estou me deliciando com as mangas que os amigos têm me dado porque só como frutas orgânicas, então já viu a carência em que fico... rsrs Será que não dava para combinarmos algo? 


Liguei para Ana mas não conseguimos nos encontrar. Por um lado foi bom porque meu marido foi ao nosso terreno e veio com uma bolsa enooorme abarrotada de mangas. Minha vizinha disse que não queria pois sua mangueira carlotinha está carregada também. Nossa mangueira, que no ano passado deu duas manguinhas, esse ano carregou mas só essa semana soubemos porque antes meu irmão estava morando lá.


Hoje, na entrega, levei uma sacola para distribuir com o pessoal. Enquanto estava lá as mangas caíam em quantidade e eu corria para pegá-las, essas são espadas e deliciosas, doces como mel!

Eu, que ficava me perguntando porque tanta manga esse ano, fui agraciada com o último relato esclarecedor de Ana.

"Queridas e Queridos,
Enquanto escrevo, vejo pela janela uma vizinha catando mangas no seu quintal, engraçado isto!!!
Sobre esta generosa safra de mangas tenho avaliado que é fruto da seca que estamos tendo nos últimos tempos. Na época  da florada das mangueiras se tivéssemos tido um tempo chuvoso as flores não haveriam evoluído para os frutos, sofreriam com fungos e esta maravilha de safra não haveria acontecido em todos os cantos de nossa região.  Podemos observar a perfeição divina em tudo, e que tudo tem dois lados, mesmo a seca que em alguns momentos nos trazem preocupações também nos ofertam este momento de fartura e que tem repercutido nos despertando para o tanto que podemos produzir em nossos Quintais.  Vejo isto reverberando na vizinhança, é um despertar. 
Gratidão Mangueiras, Gratidão tempo seco, sempre gratidão.

Finalmente Cristina nos presenteia com essa maravilha de receita!

BOLO DE MANGA
Foi assim que fiz:
Dei uma volta pelo jardim e catei mangas que caíram com a chuva. Eram tantas...
Preparei um suco para o café da manhã e pensei em aproveitar as demais para fazer alguma coisa para a gente comer no mutirão. Olhei na internet e vi que dava para fazer bolo de manga. Resolvi fazer a minha receita de bolo de laranja, apenas substituindo o suco de laranja, pelo suco de manga. Ficou lindo e bem amarelinho

Ingredientes
1 xíc de suco de manga batida no liquidificador (bem grossinho)
2 ovos inteiros e mais a clara de 1 ovo.
4 colh de sopa de manteiga.
1 xíc de açúcar (quem gosta de bolo bem doce pode adicionar mais ½ xícara de açúcar).
2 ½ xíc de farinha de trigo peneirada.
1 colh de sopa bem cheia de fermento em pó.
½ xíc de leite para dissolver o fermento.

Preparo
Bater o açúcar, a manteiga e os ovos até ficar bem cremoso. Adicionar o suco de manga e a farinha de trigo.
Bater bem. Ligar o forno. Preparar o tabuleiro bem untado e salpicado com farinha de trigo. Dissolver o fermento no leite e deixar crescer. Incorporar o fermento na massa, misturando delicadamente. Despejar a massa na forma. Assar por mais ou menos 30 minutos (verificar com o palito, o ponto de assado do bolo).

Cobertura: preparar uma cobertura com mangas bem picadinhas e açúcar. Levar ao fogo para dissolver o açúcar e depois de frio, enfeitar o bolo com esse doce.

GRATIDÃO ÀS MANGAS, À CRISTINA E À ANA!!!

Pois é, eu também precisava dar um destino a tanta manga, já tendo distribuído para meu irmão, minha sogra, zelador, amigos e amigos do meu marido. Minha casa exala manga! Chupo, chupo e ela não acaba!
Como
também tinha goiaba além do que conseguimos comer, resolvi então fazer sacolé.

SACOLÉ

Ingredientes
manga ou goiaba
açúcar

Preparo
Mangas - Colocar os pedaços descascados no liquidificador, fazer um suco bem grosso, colocar açúcar de forma que o suco fique bem docinho e passar na peneira para retirar os fiapos.


Goiabas - Descascar, tirar os caroços e umas e deixar de outras (porque acho que os caroços têm mais sabor mas tem que ter cuidado para não correr o risco de liquidificar algum bichinho). Pulsar e bater pouco para não triturar muito os caroços. Fazer o resto como o de manga.

Depois colocar nos saquinhos, deixando uns 4 dedos vazio para poder dar o nó e colocar no congelador.